Tag Archives: concursos públicos

Concurso para o Tribunal de Contas do Distrito Federal

Tribunal de Contas do Distrito Federal

Boa notícia de final de ano para bibliotecários: foi publicado edital para o concurso do Tribunal de Contas do Distrito Federal, com destaque para a remuneração oferecida, de R$ 12.401,38. Além da remuneração atraente, estão previstas 5 vagas para bibliotecário, com uma vaga reservada para portadores de necessidades especiais.



A banca Organizadora é a CESPE. O programa é bastante extenso e traz, além de Biblioteconomia, direito constitucional e direito administrativo.

BIBLIOTECONOMIA
: 1. Documentação: conceitos básicos e finalidades da documentação geral e jurídica.
2. Biblioteconomia e ciência da informação: conceitos básicos e finalidades. As cinco leis da Biblioteconomia.
3. Identificação e conhecimento das principais fontes jurídicas de informação.
4. Automação de bibliotecas. 4.1 Formato de intercâmbio, formato US MARC, banco de dados, base de dados, planejamento da automação, principais sistemas de informação automatizados nacionais e
internacionais. 4.2 Catálogos online (OPACs). 4.3 Gerenciamento de documentos eletrônicos.
4.4 Segurança da informação. 5 Normas técnicas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)
para a área de informação e documentação: elaboração de referências, apresentação de resumos,
sumário, livros e folhetos, índices, ordem alfabética e elaboração de guias de unidades informacionais
6 Resumos e índices: tipos e funções. 7 Web 2.0. Web Semântica. Taxonomias. Ontologias.
8 Metabuscador. 9 Metadados. 10Tesauro – Princípios e métodos. 11 Indexação: conceito, definição,
linguagens, descritores, processos e tipos de indexação. 12 Catalogação (AACR-2): catalogação
descritiva, entradas e cabeçalhos. Catalogação de multimeios: CD-ROM, fitas de vídeos e fitas cassetes.
12.1 Formato MARC21. 12.2 Descrição de Recursos e Acesso (Resource Descriprition Acess – RDA) -
noções básicas. Requisitos funcionais para registro Bibliográficos (Functional Requeiments for
Bibliographic Records – FRBR) – noções básicas. 13 Classificação decimal universal (CDU): estrutura,
princípios e índices principais e emprego das tabelas auxiliares. 14 Classificação Decimal de Direito
– Doris de Queiroz Carvalho. 15 Catálogos: tipos e funções. 16 Organização e administração de bibliotecas:
princípios e funções administrativos em bibliotecas , estrutura organizacional, as grandes áreas
funcionais da biblioteca, marketing da informação, divulgação e promoção. 17 Centros de documentação e serviços de informação: planejamento, redes e sistemas. 17.1 Rede Virtual de Bibliotecas do Congresso Nacional (RVBI). 18 Desenvolvimento de coleções: políticas de seleção e de aquisição, avaliação de coleções, fontes de informa
ção. 19 Serviço de referência. Atendimento ao usuário. 19.1 Entrevista de referência, interação e
ntre bibliotecário e usuário. 19.2 Serviço de referência virtual. 19.3 Estudo de usuário e de comunidade. 19
.4 Treinamento e orientação dos usuários. 19.5 Circulação de recursos informacionais, emprést
imo, reserva, devolução e empréstimo entre bibliotecas. 19.6 Serviços de referência virtual. 19.7 Organização de serviços de notificação corrente (serviços de alerta), Disseminação Seletiva da Informação (DSI). 20 Bibliotecas digitais: conceitos e definições; requisitos para implementação; softwares para construção. 21 Editoração de periódicos. 21.1 Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas (SEER/IBICT). 22 LEXML Brasil: Rede de Informação
Legislativa e Jurídica. 23 SINJ/DF: Sistema de Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal; Portaria
Conjunta nº 01, CLDF/TCDF/PGDF/SEPLAG de 23 de abril de 2013, altera a Portaria Conjunta nº 1,
TCDF/PGDF/CLDF/SEPLAG, de 30 de abril de 2009; Portaria Conjunta nº 1, CLDF/TCDF/PGDF/SEPLAG, de
29 de setembro de 2010; Portaria Conjunta nº 2, de 20 de dezembro de
2010(http://www.sinj.df.gov.br/SINJ/Arquivo.ashx?id_norma_consolidado=74157); Decreto nº 32.704,
de 29 de dezembro de 2010

23 (http://www.sinj.df.gov.br/SINJ/Arquivo.ashx?id_norma_consolidado=66955); Portaria Conjunta
PGDF/TCDF/SEPLAG/CLDF nº 02, de 20 de dezembro de 2010
(http://www.sinj.df.gov.br/SINJ/Arquivo.ashx?id_norma_consolidado=66771); Portaria Conjunta nº 1,
CLDF/TCDF/PGDF/SEPLAG, de 29 de setembro de 2010(http://www.sinj.df.gov.br/SINJ/Arquivo.ashx?id_nor
ma_consolidado=68280); Portaria Conjunta nº 1, TCDF/PGDF/CLDF/SEPLAG, de 30 de abril de 2009
(http://www.sinj.df.gov.br/SINJ/Arquivo.ashx?id_norma_consolidado=69470). 23. Gestão da
informação; gestão do conhecimento. 24Ética profissional.

 O Edital completo pode ser acessado aqui

Para trocar informações sobre o concurso, acesso o Fórum Biblio Concursos

Concurso para o TRF – Tribunal Regional Federal – 3ª Região (SP – MS)

trf-3regiaoPublicado o edital para o TRF – Tribunal Regional Federal – 3ª Região (SP – MS), com 03 vagas para bibliotecário.

O programa é o seguinte:

ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA APOIO ESPECIALIZADO – ESPECIALIDADE BIBLIOTECONOMIA
Documentação: Conceitos básicos e finalidades da documentação. Biblioteconomia e ciência da informação: conceitos básicos e finalidades. Biblioteca e Sistemas de Informação Jurídicos. Noções de informática para bibliotecas: dispositivos de memória, de entrada e saída de dados. Normas técnicas para a 37 área de documentação: referência bibliográfica, resumos, abreviação de títulos de periódicos e publicações seriadas, sumário, preparação de índices de publicações, preparação de guias de biblioteca s, centros de informação e de documentação. Indexação: conceito, definição, linguagens de indexação, descritores, processos de indexação, tipos de indexação, critérios de avaliação de eficácia. Resumos e
índices: tipos, funções e metodologias para elaboração. Classificação decimal universal (CDU): estrutura, princípios e índices principais e emprego das tabelas auxiliares. Catalogação: Catalogação descritiva,
entradas e cabeçalhos; catalogação de diferentes tipos de materiais, incluindo multimeios e recursos
eletrônicos. Catálogo: tipos e funções. Organização e administração de bibliotecas: princípios e funções administrativas em bibliotecas, estrutura organizacional, as grandes áreas funcionais da biblioteca, marketing; teorias de administração, administração de recursos humanos, físicos, financeiros e materiais; avaliação de serviços; centros de documentação e serviços de informação: planejamento, redes e sistemas. Desenvolvimento de coleções: Conceitos, políticas de seleção e de aquisição, censura, direito autoral, cooperação interbibliotecária, desbastamento, avaliação de coleções. Recursos informacionais: Tipologia de fontes bibliográficas e de dados, fontes impressas e eletrônicas na área jurídica: novas tecnologias na recuperação da informação, bases de dados, bibliografias e catálogos brasileiros e internacionais, depósito legal e controle bibliográfico, redes bibliográfica s e de informação brasileiras e estrangeiras, catálogos coletivos. Serviço de referência: Organização de serviços de notificação corrente (serviços de alerta), disseminação seletiva da informação (DSI): estratégia de busca de informação, planejamento e etapas de elaboração, atendimento ao usuário. Estudo de usuário entrevista. Automação: formato de intercâmbio, formato US MARC, banco de dados, base de dados, planejamento da automação, principais sistemas de informação automatizados nacionais e internacionais


A remuneração é um dos destaques dos concursos para a área judiciária: R$ 7.566,42, fazendo a relação candidatos/vagas  ser sempre elevada nesses concursos.
A organização é da Fundação Carlos Chagas, uma banca tradicional.
Abraços.

Livro Análise de Assunto: teoria e prática

 

Lançamento da Editora Briquet de Lemos.

ivro-analise-de-assunto-teoria-e-praticaAnálise de assunto é o processo de leitura dos documentos existentes em bibliotecas e sistemas de recuperação da informação visando a identificar os assuntos de que tratam para que possam ser recuperados nos catálogos e índices. Trata-se de um dos processos intelectuais mais importantes da prática bibliotecária, tanto em bibliotecas tradicionais
quanto digitais. Tendo em vista as vantagens oferecidas pela automatização desse processo, muitas tentativas têm sido feitas nesse sentido. Na indexação automática, entretanto, não se pode esperar qualidade e precisão nos resultados obtidos. A análise de assunto se inicia com a leitura do texto. Em seguida, passa-se à fase da extração de conceitos que possam representar o conteúdo temático desse texto. Depois de traduzidos para uma linguagem de indexação, passam a ser chamados de descritores e cabeçalhos de assuntos, entre outras denominações. Todas as fases do processo sofrem interferência
de fatores linguísticos, cognitivos e lógicos, o que confere ao processo um caráter interdisciplinar.

Eduardo Wense Dias obteve o doutorado em ciência da informação na University of California at Los Angeles (1987). É professor titular da Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais.


Madalena Martins Lopes Naves obteve o doutorado em ciência da informação na Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais (2000). Professora universitária especialista nas áreas de tratamento da informação e elaboração de trabalhos científicos.

 

Sumário

Prefácio à segunda edição, vii
Apresentação, ix
1       Tratamento temático da informação, 1
1.1    Os processos, 9
1.2    Os instrumentos, 11
1.3    Os produtos, 14
2       O processo de tratamento temático, 17
2.1    Consistência e relevância na indexação, 23
3        A leitura do texto pelo indexador, 27
3.1    O texto, 27
3.2    A leitura, 35
4       A prática da leitura técnica, 42
5       Extração de conceitos, 55
5.1    Conceito, 55
5.2.   Assunto, 58
5.3    Contexto, 63
5.4    Utilização de mapas conceituais na organização de
conceitos, 65
6       Determinação da atinência, 67
6.1    Atinência, 67
6.2    Significado, 70
7       O caráter interdisciplinar da análise de assunto, 73
7.1    Aspectos linguísticos, 73
7.2    Aspectos cognitivos e lógicos, 78
8       A pesquisa em análise de assunto, 88
8.1    Os temas, 89
8.2    Estratégias metodológicas, 92
8.3    A pesquisa no Brasil, 95
8.4    Tendências, 99
Referências, 102
Índice, 111

Saiba mais em: http://www.briquetdelemos.com.br/analise-de-assunto-teoria-e-pratica.html

Concurso para bibliotecário do BNDES – 2012/2013

logotipo-bndesUm presente de natal para os bibliotecários: foi publicado o edital para a seleção do BNDES. A remuneração inicial é de R$ 9.182,01, para uma jornada semanal de 35 h.  Como nos anos anteriores, é para cadastro de reservas, mas o BNDES tem tradição em convocar candidatos do seu cadastro.

A Organizadora é novamente a CESGRANRIO.


Conteúdo programático:

PROFISSIONAL BÁSICO – BIBLIOTECONOMIA
I – PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO EM SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO: Características e objetivos de um centro de informação. Relatórios como instrumento de planejamento e avaliação. Gestão do conhecimento e inteligência organizacional: criação, organização e compartilhamento de experiências. Gestão de bibliotecas digitais: criação, captura, armazenamento, preservação de documentos digitais, direitos autorais; marketing em unidades de informação. II – PROCESSAMENTO TÉCNICO DA INFORMAÇÃO: Descrição bibliográfica: Código de catalogação Anglo-americano – AACR2, Formato MARC 21 e Tabela da Cutter. Classificação bibliográfica: Classificação Decimal de Dewey – CDD e Classificação Decimal de Direito. Gerenciamento da Informação em ambiente web: taxonomias. III – FORMAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE COLEÇÕES: Políticas de seleção, aquisição e descarte. Comutação bibliográfica. IV -SERVIÇO DE REFERÊNCIA: Serviço de referência: educação e estudo do usuário, assistência direta e disseminação seletiva da informação. V – INDEXAÇÃO E NORMALIZAÇÃO Conceitos e mecanismos de indexação (descritores, cabeçalhos, tesauros Normalização: NBR-6023/ABNT. VI – NOÇÕES DE ECONOMIA: Noções elementares de Economia. Conhecimento dos termos mais usuais em Economia. Conhecimento dos principais organismos nacionais e internacionais de financiamento. Conhecimento das principais fontes de informação setorial da economia nacional e internacional.

Provas anteriores:


Bibliotecário – BNDES - 2009

Bibliotecário – BNDES 2008

Bibliotecário – BNDES 2006

Abraços.

Concurso para bibliotecário na UNIRIO

logotipo da unirio

Saiu o edital para concurso na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO de 2012. Para bibliotecário são 12 vagas para  (ampla concorrência) e 02 vagas reservadas para portadores de necessidades especiais, com remuneração de R$ 2.989,33, podendo ser acrescida de adicional de qualificação se o candidato possuir Especialização (superior ou igual a 360h) de até 27% ;  Mestrado até  52%  e  Doutorado até  75% sobre vencimento básico.

A prova contará com 40 questões de conhecimentos específicos, 20 de língua portuguesa, 05 de informática básica e 05 a respeito da Lei 8.112/1990.

O programa ainda não foi divulgado, mas assim que for publicado poderá ser acessado no site do concurso (http://www.unirio.br/concursos/).



CALENDÁRIO

Inscrição para Isenção de Taxa :13 a 14 de setembro de 2012
Resultado da Isenção: 21 de setembro de 2012
Inscrição: 24 de setembro 05 de outubro de 2012
Consulta da Inscrição: 15 a 19 de outubro de 2012
Retirada do Cartão de Local de Prova: 14 a 17 de novembro de 2012
Prova: 18 de novembro de 2012
Divulgação do Gabarito: 21 de novembro de 2012
Recurso: 22 a 23 de novembro de 2012
Resultado da prova: 13 de dezembro de 2012
Homologação: 13 de dezembro de 2012

Provas anteriores:

UNIRIO -2009| Organizadora: UNIRIO

UNIRIO – 2008| Organizadora: UNIRIO

Abraços.

Serviço de referência: do presencial ao virtual

Mais um excelente lançamento da Editora Briquet de Lemos, vale a pena conferir:

SERVIÇO DE REFERÊNCIA: DO PRESENCIAL AO VIRTUAL
Jean-Philippe Accart
Tradução: Antonio Agenor Briquet de Lemos
Brasília, DF: Briquet de Lemos / Livros, 2012.
312 p.

ISBN 978-85-85637477


 

[...] Embora o livro e toda a biblioteconomia em seu entorno continuem sendo, inegavelmente, o coração das bibliotecas, seu perímetro tende inexoravelmente a se retrair, cedendo lugar ao digital. Nesse ínterim, o digital desenvolve-se independentemente das bibliotecas, construindo uma engenharia da informação que não fica muito a dever às bibliotecas e que estas têm tido dificuldade de acompanhar. [...]

As bibliotecas, é claro, ainda dispõem de recursos. Contam, por exemplo, com a oportunidade de lidar ao mesmo tempo com todos os tipos de registros, lançando mão de todos os suportes e todas as formas de mediação, atuando tanto com o presencial como com o virtual e se dirigindo a diversos públicos. De uma certa indefinição fazem sua força, um pouco como as grandes lojas de departamentos onde sempre se consegue encontrar algo para satisfazer a curiosidade. Esta dimensão generalista, porém, não é suficiente. É preciso que ela encontre um ponto de apoio específico que a legitime plenamente, caso almeje enfrentar o futuro com confiança. Na verdade, as bibliotecas, pela primeira vez na história, estão em busca de si próprias, de sua identidade.

Talvez seja preciso procurar essa identidade no campo da função de referência, uma atividade que toca no próprio cerne da profissão de bibliotecário, onde se entrelaçam competência intelectual, conhecimento técnico e a relação com o usuário. É claro que os serviços de referência, ícones das bibliotecas-modelo anglo-saxônicas, sofrem diretamente a concorrência da internet, mas, paradoxalmente, essa crise pode levar não ao desaparecimento dessa função, mas à sua transformação. [...]

É por isso que o livro de Jean-Philippe Accart é tão importante. Não se trata simplesmente de uma reflexão teórica sobre o assunto, mas de uma análise muito concreta do aparato da referência [...]. Longe de contrapor a referência clássica, a que se exerce na modalidade presencial, à sua versão virtual, ele mostra muito bem que esta descobre e se aprofunda mais do que a primeira conseguia com seus limitados recursos. Por intermédio da problemática da referência ele mostra que, permanecendo fiéis à sua inspiração primeira e com um pouco de inovação, as bibliotecas podem perfeitamente acompanhar as novas exigências da sociedade do conhecimento. [...]  Patrick Bazin [No prefácio.]

Jean-Philippe Accart é pesquisador da Bibliothèque et Archives de la Ville de Lausanne (Suíça) e diretor de estudos do mestrado de arquivologia, biblioteconomia e ciência da informação das universidades de Berna e Lausanne. Iniciou suas atividades no campo da ciência da informação em 1983, primeiro na França e depois na Suíça. Com vários livros e artigos publicados, mantém o sítio www.jpaccart.ch.

Sumário

Serviços de referência presenciais
Introdução
Origem e situação atual dos serviços de referência
1        O que é um serviço de referência presencial?
2        Qual serviço de referência para qual instituição?
3        A política de referência
4        A abordagem de projeto no serviço de referência presencial
5        O projeto arquitetônico do serviço de referência
6        A coleção de referência
7        A equipe de referência
8        Deontologia e responsabilidade jurídica do profissional de referência
9        Organização e funcionamento do serviço de referência
10      O trabalho de referência
11      A função de referência
12      A entrevista de referência
13      A pesquisa de informação
14      Os produtos de informação no serviço de referência
Conclusão da parte i. O futuro dos serviços de referência presenciais

Serviços de referência virtuais
Introdução
1        O que é um serviço de referência virtual?
2        A referência virtual num ambiente digital
3        Estudo de viabilidade para a criação de um serviço de referência virtual
4        Implantação do serviço de referência virtual: aspectos normativos e legais
5        Implantação do serviço de referência virtual: aspectos técnicos (1)
6        Implantação do serviço de referência virtual: aspectos técnicos (2)
7        Implantação do serviço de referência virtual: aspectos técnicos (3)
8        Implantação do serviço de referência virtual: aspectos organizacionais
9        A rede de referência virtual colaborativa
Conclusão da parte ii. Valor agregado do serviço de referência virtual

Serviços de referência presenciais e virtuais: aspectos comuns

1        A economia dos serviços de referência
2        Quadro de indicadores de desempenho do serviço de referência
3        Serviços de referência — objetivo: qualidade
4        O marketing dos serviços de referência
5        A comunicação no serviço de referência
Conclusão geral: o futuro é virtual

Anexos
1        Revistas especializadas
2        Sítios na internet
3        Aplicativos para mensagens instantâneas
4        Siglas e abreviaturas
5        Glossário

Índice

Concurso para a Petrobras – 2012

Concurso petrobras 2012Boa notícia para os bibliotecários que querem trabalhar na segunda maior empresa petrolífera de capital aberto no mundo: saiu o edital para preenchimento de 02 vagas (além de formação de cadastro de reservas) na Petrobras. Como em concursos anteriores, a organizadora é a Cesgranrio.

Site: http://www.cesgranrio.org.br/
Edital:
http://www.in.gov.br/visualiza/index.jsp?data=22/03/2012&jornal=3&pagina=113&totalArquivos=208
Vagas: 02
Inscrições: no período entre 0 (zero) hora do dia 27/03 e 23h e 59 min do dia 11/04/2012,
observado o horário oficial de Brasília/DF
Taxa: R$ 50,00

REMUNERAÇÃO: Salário Básico de R$ 4.097,43 com garantia de remuneração mínima de R$ 6.388,31.


PROGRAMA:

BIBLIOTECÁRIO(A) JÚNIOR
BLOCO 1: Organização e administração de centros de informação. Recuperação da informação. Pesquisa documental. Tratamento
técnico da informação: representação descritiva, representação temática, indexação. Linguagens documentárias. Taxonomia;
Sistemas de classificação (CDD). Normalização de documentos (ABNT). Processo de referência. Formação e desenvolvimento de
coleções. BLOCO 2: Fontes de informação gerais e especializadas. Princípios de comunicação e marketing de serviços de informação.
Gestão do conhecimento. Preservação de acervos em suas diferentes mídias. BLOCO 3: Tecnologia da informação e comunicação aplicável
à biblioteca: softwares. Marketing aplicado a bibliotecas. Bibliometria. Biblioteca digital. Planejamento e manutenção de bancos
de dados.

CONHECIMENTOS BÁSICOS
CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR
LÍNGUA PORTUGUESA: 1. Compreensão e interpretação de textos. 2. Ortografia (nova ortografia, acentuação, emprego do hífen). 3. Morfologia (verbos irregulares, emprego das palavras “porque”, “por que”, “por quê” e “porquê”, “se” e quê”). 4. Sintaxe (regência verbal e nominal, concordância verbal, concordância nominal, emprego de verbos impessoais, indeterminação do sujeito, voz passiva pronominal, emprego de pronomes relativos e uso de “há” e “a”). 6. Estrutura e processo de formação das palavras. 7. Estilística: fenômenos expressivos nos campos fônico, morfológico e semântico.

LÍNGUA INGLESA: 1. Compreensão de texto escrito em língua inglesa. 2. Itens gramaticais
relevantes para a compreensão dos conteúdos semânticos.

 Abraços.

Ranganathan e os concursos públicos

Grande Ranganathan!

Grande Ranganathan!

Ranganathan vai se revirar em seu túmulo, mas a partir de suas famosas leis fiz uma adaptação (bem tosca, é verdade) para criar as cinco leis dos concursos públicos. Claro que é uma brincadeira, já que não tem nenhum conteúdo científico e serve somente para ilustrar alguns pontos/etapas da preparação para os concursos.

Primeira lei : O edital é para ser lido (todo!)

Muita gente tem mania de ler somente as partes dos edital que mais lhe interessam como, por exemplo, salário e período de inscrição. Porém   uma boa preparação passa primeiro pela leitura completa do edital. É fundamental, pois  evita muito mal-entendido e perda de tempo. Um exemplo claro disso foi este último concurso para o Senado, muita gente que não leu o edital achou que a prova iria ter uma parte sobre direito administrativo, o que não aconteceu. Também vale lembrar que vários concursos possuem a bibliografia recomendada, o que ajuda no rumo da preparação.

Segunda lei: Para cada concurseiro, seu concurso.

Muitas vezes divulgamos vagas em concursos de prefeituras distantes e no interior, alguns devem se perguntar se alguém faz prova para esses lugares, a resposta é: sim! E é uma boa maneira de se preparar, além de ser bom para alto estima. Passar em um concurso de prefeitura, com concorrência baixa, te dá fôlego para ir em busca de voos mais altos.

 

Terceira lei: Para cada concurso, seu concurseiro:

Algumas pessoas podem discordar, porém alguns concursos não são para todos. Utilizo o mesmo exemplo do Senado. Não adianta se inscrever em um concurso assim se você está há muito tempo sem ler nada da área e não pretende fazer isso para se preparar para a prova. Vai perder seu dinheiro na inscrição e o seu tempo para ir fazer uma prova que não tem a mínima chance de passar. É claro que a sorte existe, mas o curioso é que a sorte sorri muito mais para quem se prepara do que para os que contam somente com ela, sem fazer por merecer.


Quarta lei: Poupe o tempo do concurseiro (o seu tempo).

Não adianta ficar estudando quinze horas por dia sem fazer um planejamento do que estudar e como estudar, é perda de tempo e pode até causar  danos à sua saúde, além de não produzir resultados práticos. Recomendo o livro do grande bibliotecário Gustavo Henn:  Métodos de preparação para concursos, da Thesaurus Editora.

Quinta lei: O serviço público (ainda) é um organismo em expansão. Os governos Lula foram a época que mais se contratou servidor público no Brasil, coisa que é difícil se repetir. Porém, as vagas no serviço público ainda tendem a crescer, devido a grande quantidade de terceirizados nos órgãos e a necessidade de prestação de um serviço público de qualidade para população, o que passa pela contratação de pessoas qualificadas, via concurso público.

Em tempo, não custa nada lembrar as Leis de Ranganathan, que volta e meia são cobradas em provas:

1ª Os livros são para o uso

2ª Para cada leitor o seu livro

3ª Para cada livro seu leitor

4ª Poupe o tempo do leitor

5ª A biblioteca é um organismo em crescimento.

Vale ainda lembrar que As Cinco Leis da Biblioteconomia foram publicadas no Brasil pela Briquet de Lemos.

Abraços.

Publicado edital para o Concurso do Senado Federal 2011

Senado Federal Concurso Público 2011O Aguardado edital para o concurso do Senado foi publicado nesta sexta-feira, 23/12/2011. Há duas vagas para Analista Legislativo- Especialidade Biblioteconomia e as provas estão marcadas para o dia 11 de março. A Fundação Getúlio Vargas (FGV) será a organizadora do certame.

De acordo com informações divulgadas pela Agência Senado, “o novo concurso suprirá a necessidade de reposição de servidores diante do grande número de aposentadorias desde o último concurso. Nos últimos dois anos, 531 servidores se aposentaram, sendo 360 só este ano.” Portanto pode-se sonhar com convocações além do número de vagas previsto no edital.


Programa:

ESPECIALIDADE: BIBLIOTECONOMIA
Biblioteconomia e Ciência da Informação: conceitos básicos. Gestão da informação e gestão do conhecimento: conceitos básicos e finalidades. Organização, armazenamento e transmissão da informação na sociedade. Aspectos éticos e profissionais da gestão da informação. As cinco leis da biblioteconomia. Atendimento ao usuário da informação: Processo de referência. Serviço de referência. Entrevista de referência. Interação entre bibliotecário e usuário. Estudo de usuário e de comunidade. Treinamento e orientação de usuários. Marketing da informação, divulgação e promoção. Gestão da qualidade do atendimento. Pesquisa de satisfação. Circulação de recursos informacionais: empréstimo, reserva, devolução. Empréstimo entre bibliotecas. Serviço de referência virtual.
Recursos Informacionais: Fontes de informação: tipologia e função. Obras de referência. Bibliografia: planejamento e elaboração. Bibliografias e catálogos nacionais. Guias bibliográficos. Fontes de informação em direito brasileiro. Disseminação da informação. Disseminação seletiva da informação. Representação descritiva dos recursos informacionais: Instrumentos adotados na representação descritiva. Descrição bibliográfica. Catalogação: conceito, objetivos, sistemas informatizados. Registros catalográficos: terminologia e campos. Instrumentos e normas vigentes 19 da catalogação descritiva. Código de Catalogação Anglo-Americano, 2.ed. (AACR 2). Descrição de Recursos e Acesso (Resource descriptionand access – RDA): noções básicas. Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos (Functional Requirements for Bibliographic Records – FRBR): noções básicas. Catalogação
cooperativa e controle bibliográfico. Formato MARC21. Catalogação de multimeios. Normas técnicas para a área de documentação (ABNT): referência bibliográfica, resumos.. Representação temática de recursos informacionais: Sistemas de organização do conhecimento: características, funções e tipologia. Indexação: conceito, definição, linguagens de indexação, descritores, processos de indexação, tipos de indexação. Metadados. Ontologias. Taxonomia. Web Semântica. Tesauro: princípios e métodos. Classificação Decimal de Dewey (CDD). Classificação Decimal de Direito (Doris de Queiroz Carvalho). Desenvolvimento de coleções: princípios e métodos. Metodologia de conspectus. Política de desenvolvimento de coleções: seleção, aquisição, avaliação e descarte. Fatores e critérios que afetam a formação e desenvolvimento de coleções. Processos de seleção participativa. Intercâmbio entre bibliotecas. Conservação e restauração de documentos. Organização e administração de bibliotecas: Princípios e funções administrativas em bibliotecas. Estrutura organizacional de bibliotecas, as grandes áreas funcionais da biblioteca. Centros de documentação e serviços de informação. Planejamento bibliotecário. Planejamento de sistemas de Bibliotecas. Automação de bibliotecas: Bases de dados bibliográficas. Planejamento da automação de bibliotecas. Principais sistemas de gestão de acervos bibliográficos nacionais e internacionais. Protocolo Z39.50. Redes cooperativas de bibliotecas brasileiras: Rede Virtual de Bibliotecas Congresso Nacional (RVBI), Rede de Bibliotecas da Justiça Eleitoral (REJE), Rede de Bibliotecas do Ministério Público Federal (RBMPF), Rede
BIBLIODATA. Bibliotecas digitais: Conceitos e definições. Requisitos para implementação de bibliotecas digitais.
Softwares para construção de bibliotecas digitais. Ética profissional.


Resumo do edital:
Inscrições:  26 de dezembro de 2011 a 5 de fevereiro de 2012
Remuneração: R$ 18.440,64
Vagas: 02
Taxa: R$ 190,00
Data prevista para a prova: 11/03/2012
Site: http://www.fgv.br/fgvprojetos/concursos/senado11/
Edital

Boa sorte a todos!

Fui reprovado, o que fazer?

The Scream - Edvard_Munch

The Scream de Edvard Munch / fonte: wikipedia.org

Um assunto que pouca gente comenta é a reprovação em concursos. Ninguém gosta de gastar dinheiro com inscrição, estudar, acordar cedo para fazer uma prova por horas e no final não atingir a nota mínima de corte. É muito ruim ver aquela desagradável palavra ao lado do seu nome: desclassificado, não-aprovado, nota insuficiente, eliminado, reprovado… o termo varia de acordo com a banca, mas quer dizer a mesma coisa: você não atingiu seu objetivo.

Faz parte da vida de qualquer um ter insucessos e, por incrível que pareça, são saudáveis. Com eles aprendemos mais do que com as vitórias, pois através deles é que refletimos e mudamos. A reprovação é o sinal de que alguma coisa deverá ser corrigida: se você não foi aprovado é sinal de que a carga de estudos deverá ser aumentada ou melhor distribuída, pois não adianta ir bem em conhecimentos específicos e ficar reprovado por uma questão de interpretação de texto na prova de português.


Serve também como amadurecimento, pois os simulados e as provas que fazemos em casa não possuem a mesma atmosfera da sala do concurso, nem o nervosismo do momento. Em função deste nervosismo que recai sobre algumas pessoas durante a prova o desempenho é prejudicado e muitas vezes aparece o famoso “deu branco”. Na medida que fazemos mais provas, a rotina elimina quase que completamente o nervosismo. A reprovação só valoriza ainda mais sua conquista, o importante é não duvidar de si mesmo e nunca desistir devido a uma experiência ruim.

Uma máxima de um concurseiro famoso, William Douglas, resume muito bem isso:

Concurso não se faz para passar, se faz até passar!

Abraços.